Bem-vindo! Sábado, 27/05/2017.
Agora na TV 16:00h BRASIL URGENTE / 19:20h JORNAL DA BAND / + programas
Busca
Tempo em SC

Economia

COLUNISTAS

Ver todos
28/04/2017

Economia

Comércio da Capital sofre impacto negativo com a Greve Geral

Comércio da Capital sofre impacto negativo com a Greve Geral Imagem: TV Catarina
Por Redação TV Catarina

A greve geral que ocorre nesta sexta-feira (28) em todo Brasil, convocada pelas centrais sindicais, provocou um impacto negativo no comércio da Capital. O transporte coletivo que paralisou à 0h de sexta-feira (28) permanecerá parado até a 0h de sábado (29), impossibilitando o direito de ir e vir da população.

De acordo com Marco dos Santos, diretor de SPC e Serviços da CDL de Florianópolis, caso o transporte coletivo não tivesse aderido à greve, o impacto seria quase zero. “Em um dia com as portas fechadas, os empresários têm prejuízos de até 50% no faturamento. Dependendo do segmento de atuação, esse número aumenta ainda mais”, relata.

Na loja Olho D'Água, os prejuízos foram bem maiores. Segundo estimativa do estabelecimento, o movimento que já anda ruim de modo geral, hoje estimou uma queda aproximada de 80%. “Além da questão transporte, as pessoas também ficam receosas de vir para o centro por medo de atos de violência em manifestações. Sou a favor de um país melhor e também estaria participando das manifestações se pudesse, mas sem violência e vandalismo”, conta Jéssica Ferreira, gerente da loja Olho D'Água.

Para complicar a situação, manifestantes percorreram, durante a manhã desta sexta-feira, as principais ruas do centro da Capital, em ato de apoio à greve geral. Durante o protesto, houve momento de brigas e tensão que fizeram com que os comerciantes se sentissem pressionados para fechar os estabelecimentos e garantir a integridade física dos funcionários e clientes que estavam no local.

Além disso, a paralisação prejudicou aqueles que optaram por trabalhar, impedindo-os de chegarem aos seus locais de trabalho. “No dia de hoje muitas pessoas tiveram dificuldades para chegar ao trabalho. Diante de situações como esta, os empresários tendem a organizar com seus colaboradores alternativas como carona e folga para minimizar os problemas”, explica Santos.

Ainda segundo Santos, a CDL de Florianópolis orientou que os comerciantes analisassem a melhor opção de acordo com o seu negócio. “Vivemos num cenário de incerteza econômica e política. A queda no faturamento das empresas é algo que tem se tornado cada vez mais instável, afetando a economia brasileira”, finaliza o dirigente. 









Últimas Notícias

Economia

Governador apresenta a 2ª edição do Fundam

Economia

Lei da gorjeta entra em vigor neste sábado

Economia

Caixa econômica inicia nesta sexta-feira (12) pagamento dos FGTS dos meses de junho, julho e agosto