Bem-vindo! Domingo, 23/04/2017.
Agora na TV 21:45h PÂNICO NA BAND / / + programas
Busca
Tempo em SC

Agricultura

COLUNISTAS

Ver todos
17/04/2017

Agricultura

Renda de empreendimentos da agricultura familiar cresce 118% em SC

Renda de empreendimentos da agricultura familiar cresce 118% em SC Foto de arquivo: Romeu Scirea Filho/SC Rural
Por Secom

Um estudo de avaliação de impacto realizado pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa/Epagri) mostrou que o valor das vendas dos empreendimentos da agricultura familiar que aderiram ao programa SC Rural cresceram mais de 118% nos últimos seis anos, enquanto os empreendimentos não apoiados tiveram um amento mais modesto, de 44%. Em parceria com o Banco Mundial (BIRD), o SC Rural já investiu mais de R$ 380 milhões no meio rural catarinense e alcançou nota máxima na avaliação do BIRD, sendo classificado como altamente satisfatório.

No setor de panificação esse crescimento é ainda maior. Para os empreendimentos beneficiários o aumento nas vendas chegou a 235% e aqueles que não tiveram apoio ampliaram as vendas em apenas 9,5%. Outro grande destaque foi o turismo, que com investimentos em ampliação de sua capacidade de atendimento, atingiu crescimento de 237%.

Essas duas atividades têm despertado interesse principalmente de jovens agricultores e de mulheres. Em Santa Catarina a panificação e o turismo se tornaram importantes alternativas de renda, contribuindo para reduzir o êxodo rural. Tanto que, ao longo dos últimos seis anos, o Programa apoiou mais de 80 projetos voltados a implantação ou melhoria de unidades de panificação em todo o estado, num investimento de aproximadamente R$ 13 milhões.

O secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, acredita que um dos grandes diferenciais do SC Rural é o seu modelo de gestão, o Programa é tratado como uma ação de Governo e envolve projetos em áreas de oito instituições públicas. “Sob a coordenação da Secretaria da Agricultura, o Programa é abrangente e executa ações em diversas áreas como infraestrutura, meio ambiente, acesso à internet, assistência técnica e defesa sanitária. Pensamos no meio rural como um todo, não só em agricultura e pecuária”, ressalta.

Sopelsa lembra ainda que a combinação dos esforços do Governo do Estado, Banco Mundial e produtores rurais catarinenses foi o segredo para o sucesso do Programa. “Temos profissionais altamente capacitados e comprometidos e uma agricultura familiar muito produtiva, que gera renda e riquezas para o Estado. Unindo esforços mostramos que os produtos da agricultura familiar de Santa Catarina têm qualidade e são competitivos no mercado”.

Os números fazem parte da “Avaliação de impacto dos empreendimentos de agregação de valor - Programa Santa Catarina Rural” elaborado pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa/Epagri), que, por meio de metodologia estatística, comparou a situação dos agricultores antes e depois de aderirem ao Programa.

SC Rural

As conquistas obtidas com o apoio do SC Rural são modelo para o Banco Mundial e estão inspirando ações em outros estados e países. O economista BIRD, Diego Arias, explica que o Programa se diferencia por coordenação interinstitucional entre as Secretarias de Estado; complexidade da organização da agricultura familiar em Santa Catarina e atenção dada aos grupos de indígenas, mulheres e jovens.

A parceria entre Santa Catarina e o Banco Mundial deu tão certo que deverá ter continuidade por meio da implantação de um Núcleo de Inovação Tecnológica voltado para Agricultura Familiar (NITA). “Estamos falando de tecnologias verdes que, além do impacto em renda e produtividade agrícola, tem impacto ambiental positivo”, destaca. O Núcleo quer aproximar agricultores familiares das tecnologias e inovações, como um elo entre as produtoras de tecnologias e aqueles que necessitam delas.

Durante sua passagem por Santa Catarina, Diego fez questão de ressaltar o interesse do Banco Mundial em dar sequência ao Programa SC Rural. “Sabemos que o Governo do Estado quer continuar a parceria, assim como o Banco Mundial, porém a conjuntura atual no âmbito do Governo Federal, ente que avaliza empréstimos internacionais, encontra-se momentaneamente desfavorável a uma nova operação”. Diego Arias afirma que o Banco deverá continuar os trabalhos, mesmo com o contrato de empréstimo ainda a ser fechado. “Vamos continuar com a parceria na assistência técnica. Mas esperamos renovar o financiamento para que essa parceria técnica seja acompanhada também de recursos financeiros para a próxima fase do Programa Santa Catarina Rural”. 









Últimas Notícias

Agricultura

SC espera colher três milhões de toneladas de milho na safra 2016/17

Agricultura

Produtores de milho recebem R$ 34 por saco de milho em SC

Agricultura

Pesquisa recolhe informações sobre a produção de orgânicos em SC