Bem-vindo! Domingo, 20/08/2017.
Agora na TV / / + programas
Busca
Tempo em SC

Geral

COLUNISTAS

Ver todos
04/08/2017

Geral

Porto de Imbituba inicia temporada 2017 de monitoramento das baleias francas

Porto de Imbituba inicia temporada 2017 de monitoramento das baleias francas Foto: SCPar Porto de Imbituba
Por Secom

A SCPar Porto de Imbituba realizou, nesta semana, o primeiro sobrevoo de monitoramento das baleias francas na costa catarinense, abrindo a temporada 2017 do Programa de Pesquisa e Monitoramento das Baleias Francas no Porto de Imbituba e Adjacências, desenvolvido pela Autoridade Portuária de Imbituba. O monitoramento aéreo foi realizado desde a praia do Moçambique, em Florianópolis, até o município de Torres (RS), e constatou a presença de 29 baleias francas e uma baleia jubarte na região.

Ao longo da semana, o Setor de Meio Ambiente do Porto de Imbituba também apresentou à comunidade portuária o PO.SSMA.01, novo procedimento interno de boas práticas para as embarcações que atuam no porto durante a temporada de reprodução da baleia franca. O documento tem caráter orientativo e reforça diretrizes para navegação, com o objetivo de preservar a espécie de molestamentos não intencionais e minimizar os riscos de uma possível colisão com embarcações. O público-alvo da iniciativa são os trabalhadores portuários envolvidos diretamente com as manobras de atracação e desatracação, como os práticos, rebocadores, comandantes e agentes marítimos. Para estes públicos, estão sendo distribuídos folhetos educativos em português e inglês e realizadas reuniões de esclarecimento sobre o comportamento da baleia franca, a importância de sua preservação e o que fazer em caso de rota de colisão.

De julho a novembro, é o período em que a espécie utiliza o Litoral catarinense para acasalar, procriar e amamentar sua cria, tornando o Estado de Santa Catarina a principal área de concentração reprodutiva de baleias francas na costa brasileira. No primeiro monitoramento aéreo de 2017, foram avistados 13 pares de mães com filhote (totalizando 26 baleias) e três baleias francas adultas solitárias. Estes indivíduos podem ser fêmeas que estão grávidas ou machos a procura de fêmeas receptivas ao acasalamento.

A maior concentração de baleias foi avistada entre as praias de Itapirubá, em Imbituba, e Mar Grosso, em Laguna, com 17 registros. Uma das surpresas do sobrevoo foi a presença de uma baleia jubarte na praia de Itapirubá Sul, avistada junto a uma baleia franca. A ocorrência da jubarte em Santa Catarina é rara, uma vez que a espécie se reproduz na Bahia e tem sua migração mais afastada da costa.

Dentre as baleias francas avistadas, destacam-se a presença de um filhote semi-albino, e o retorno de duas baleias ilustres na região: a Olivia e a JDot. Olivia é conhecida desde 2002 e já teve várias crias em Santa Catarina. JDot também é uma baleia muito especial: é conhecida desde 1973 e deve ter quase 50 anos. Agora está com um novo filhote, o sétimo registrado aqui no Brasil.

Este é o quinto ano que a SCPar Porto de Imbituba realiza o Programa de Monitoramento das Baleias Francas. Dentro do rol de atividades previstas para a temporada, está a realização de três sobrevoos e o monitoramento terrestre, que deve iniciar nos próximos 15 dias com observação diária das enseadas das praias do Porto e Ribanceira, ambas em Imbituba. “O principal objetivo do programa é a preservação da espécie e a continuidade das operações portuárias de forma a minimizar o impacto em seu habitat marinho”, explica o gerente de Meio Ambiente da SCPar Porto, Robson Busnardo.

Busnardo destaca ainda que o desenvolvimento do programa tem possibilitado a ampliação da pesquisa e, consequentemente, o conhecimento sobre o comportamento da baleia franca. “No entanto, seu maior mérito é a ausência de registros de acidentes (colisões) com embarcações de pequeno, médio e grande porte na região de estudo”, conclui. 









Últimas Notícias

Geral

Defesa Civil de Santa Catarina faz teste com radar meteorológico móvel em Florianópolis

Geral

Casan usa tecnologia limpa em obra de esgoto para proteger Aquífero dos Ingleses

Geral

Cerca de 200 agricultores sem terra continuam acampados na sede do Incra, em São José