Bem-vindo! Segunda, 27/03/2017.
Agora na TV 01:05h OS SIMPSONS - NOITE / 01:55h UMA HISTÓRIA DE HORROR AMERICANA / + programas
Busca
Tempo em SC

Política

COLUNISTAS

Ver todos
24/10/2016

Política

Eleitores não podem ser presos a partir desta terça (25)

Eleitores não podem ser presos a partir desta terça (25)
Por Assessoria / TRE-SC

A partir desta terça-feira (25), cinco dias antes do segundo turno das eleições municipais, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido, a não ser em caso de flagrante delito ou em decorrência de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou por desrespeito a salvo conduto. Essa data consta do Calendário Eleitoral – Eleições 2016 e vige até 48 horas após o pleito, ou seja, até as 17 horas do dia 1º de novembro.

Essa previsão legal foi estipulada pelo Código Eleitoral, em seu artigo 236, e tem por objetivo garantir o exercício do direito ao voto por todos os cidadãos, evitando prisões arbitrárias às vésperas das eleições.

Entenda a garantia da não-prisão dos eleitores

Flagrante delito: segundo o Código de Processo Penal, ocorre quando alguém é detido enquanto está cometendo a infração penal, acabou de cometê-la, é perseguido logo após a infração penal em situação que faça presumir ser o seu autor, ou é encontrado, logo após, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser o autor da infração (art. 302). Nesses casos, apesar da garantia da não-prisão, o eleitor poderá ser detido.

Crimes inafiançáveis: segundo a Constituição Federal do Brasil de 1988, são crimes que não admitem fiança: a tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como hediondos (art. 5º, XLIII). Para esses casos, se houver sentença criminal condenatória, esta poderá ser executada, ainda que no período da garantia da não-prisão.

Salvo-conduto: é o documento emitido pelo juiz que garante a liberdade de locomoção nos casos de habeas corpus preventivo, que é concedido para garantir o livre trânsito ao seu portador, impedindo que ele seja preso ou detido (art. 5º, LXVIII, da Constituição Federal de 1988). Aquele eleitor que violar o salvo-conduto concedido poderá ser detido ou preso, ainda que dentro do período da garantia.

 









Últimas Notícias

Política

governador Colombo destaca avanços da Defesa Civil de Santa Catarina

Política

Estudantes da rede são empossados como vereadores mirins

Política

Definidos os trabalhos das comissões permanentes em São José