Bem-vindo! Quarta, 28/06/2017.
Agora na TV 03:00h IGREJA UNIVERSAL / 06:00h BANDNEWS / + programas
Busca
Tempo em SC

Variedades

COLUNISTAS

Ver todos
17/10/2016

Variedades

FLIC reúne 30 mil pessoas em cinco dias de debates e atividades culturais

FLIC reúne 30 mil pessoas em cinco dias de debates e atividades culturais
Por REDAÇÃO

Mais de 50 autores nacionais e oito estrangeiros participaram do Festival Literário Internacional Catarinense, encerrado neste domingo

A primeira edição do FLIC - Festival Literário Internacional Catarinense, encerrada neste domingo (16), transformou o evento em um dos maiores do Sul do país, com um público estimado de 30 mil pessoas, em cinco dias de intensa e diversificada programação cultural na Cidade Criativa Pedra Branca, em Palhoça, na Grande Florianópolis (SC). Programado para ser realizado a cada dois anos, o FLIC estreou com mais de cinquenta autores nacionais e oito estrangeiros. O primeiro dia foi marcado pelo show nacional com Arnaldo Antunes, para um público de aproximadamente seis mil pessoas. Após a apresentação, o músico e poeta recebeu mais de uma centena de leitores para uma sessão de autógrafos.

“O sucesso foi tão grande que recebemos muitas manifestações do público e de escritores para realizarmos o FLIC anualmente. Nosso compromisso é de fazermos o próximo em 2018. Mas, diante de uma demanda importante da área literária, da repercussão positiva para todos, podemos estudar o caso com os patrocinadores”, avaliou o publicitário Roberto Costa, diretor geral do festival. Para o curador, Nelson Rolim, o FLIC mostrou o vigor da literatura e que, quando há oferta de boa eventos, há uma grande presença do público. "Agora é importante a sociedade se apropriar do FLIC e, cada um à sua maneira, contribuir para que o festival cresça e continue a fazer história”.

Iniciado no Dia das Crianças e com programação especial para os novos leitores, todos os espaços do FLIC tiveram uma grande movimentação, em especial a área externa. A atenção às crianças se estendeu a todo o festival, que garantiu transporte para a participação de estudantes de escolas públicas em atividades como contação de histórias, apresentações de teatro, rua de lazer, entre outras.

O festival teve como temas a literatura (infantojuvenil, catarinense, nacional e internacional); a arquitetura e o urbanismo, com uma visão de sustentabilidade; inovação, tecnologia e empreendedorismo; gastronomia e música. Além dos debates com os autores, o FLIC ainda realizou sessões de autógrafos, lançamentos de livros, exposições, sessões de cinema, dança, música, troca de livros, folclore, varal literário e festival gastronômico.

De fora do país, o FLIC recebeu os escritores Fabián Severo e Gustavo Espinosa (Uruguai) - premiado no dia último dia 1º pela Câmara Uruguaia do Livro, por sua nova novela Todo termina aquí -, Carlos Ríos e Ana Porrúa (Argentina), Harrie Lemmens (Holanda), Ana Carvalho, Nuno Camarneiro e Afonso Rocha (Portugal). Entre os debates mais concorridos, estiveram os temas “Ousadia nas páginas e na tela”, com Mario Prata, Paulo Markun, Carlos Schroeder e moderação de Amilcar Neves;
"Ficção e não ficção − dois autores, duas vidas”, com Ruy Castro e Heloisa Seixas, que teve como moderador o escritor catarinense Celestino Sachet, escolhido como patrono do FLIC, além de “A evolução do amor e do sexo na canção brasileira”, com Rodrigo Faour.

O FLIC encerrou cada dia com um show. O pianista Pablo Rossi, que tocou ao lado de convidados, homenageou o músico e poeta Bob Dylan, vencedor do prêmio Nobel de Literatura deste ano. Ele executou o clássico "Blowin' in the win", ao lado do cantor Gustavo Lorenzo. Nas demais noites se apresentaram Luiz Meira e convidados, Orquestra Camerata Florianópolis, Coral Universitário Unisul e banda Red River Combo.

O encerramento do FLIC foi com o debate “O livro na Gastronomia”, que reuniu o jornalista e sommelier João Lombardo, o chef Narbal Corrêa e Luiz Guilherme Büchmann Figueiredo, coordenador do curso de Turismo e Gastronomia da Unisul. Todos destacaram a importância de um festival dedicado à literatura integrar outros temas, com valorização da gastronomia como parte da cultura.

Os homenageados do festival foram os escritores Salim Miguel e Julio de Queiroz (In memoriam), o pintor e poeta Rodrigo de Haro, o Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, por seus 120 anos, além do premiado projeto Barca dos Livros.

Com incentivo do Ministério da Cultura e Governo Federal, através da Lei Rouanet, o FLIC teve patrocínio das empresas ENGIE, WEG, Multilog e Intelbrás. A promoção foi da Unisul, ACL - Academia Catarinense de Letras e Propague Comunicação, com apoio da Cidade Criativa Pedra Branca.

 

Foto: Fabrícia Pinho








Últimas Notícias

Variedades

Eco Garopaba por um Brasil Melhor

Variedades

Prêmio Catarinense de Cinema 2017 abrirá inscrições no fim de julho

Variedades

Confira os eventos que acontecem em SC durante esse fim de semana